Compostagem para nova vida (4/5)

Veronika Bond Humus

photo: Will Cornfield

“De repente, há uma conexão interna imediata e profunda entre o homem e a estrutura do solo.”Raoul Francé

4 — Composição do composto

Uma pilha de compostagem pode ser configurada de muitas maneiras diferentes. Aqui estão duas sugestões relativamente simples:

A – Se tens material suficiente e podes arranjar o composto rapidamente, é melhor colocar material ‘castanho’ (mais cárbono) alternadamente com material ‘verde’ (mais nitrogénio) (mais ou menos 10 cm por camada). Além disso podes colocar estrume de animais entre as camadas, e cobrir com um pouco de solo do jardim (para não cheirar mal). O lixo orgánico da cozinha também pode ser misturado entre as camadas. Em clima seco, é bom regar as camadas com um pouco de água.

‘Camadas castanhas’ de galhos e pequenos ramos cortados ajudam na ‘respiração’ da pilha de compostagem. Um balde de solo do jardim é particularmente bom como última camada da composição. Este se pode tapar com sacos velhos (por exemplo sacos de café) ou uma camada de palha para manter a humidade no composto.

B – Se construimos um composto durante um período mais longo, começamos com uma camada de galhos e ramos picados, a seguir um ou dois baldes cheios de plantas verdes (urtigas, confrei, dente de leão e outras ervas selvagems).

Se temos estrume de cavalo pomos uma camada em cima, a sequir um balde de lixo orgánico da cozinha (cascas de legumes e fruta, cascas de ovos, borra de café etc.) e uma fina camada de solo do jardim.

Se possível, é bom ter algum estrume de cavalo e ramos cortados ‘em stock’ para por na pilha de vez em quando. A nossa pilha de compostagem recebe um pequeno balde de lixo orgánico mais ou menos cada dois dias, e a mesma quantidade de ervas selvagems do jardim. Pomos estrume de cavalo, solo do jardim, e ramos cortados uma vez por semana. Se estiver muito seco, também regamos a pilha uma vez por semana.

Como se sabe, a diversidade de plantas e animais é muito importante para manter o solo saudável. O mesmo princípio se aplica ao composto. O solo prospera quando está ‘animada’ por muitos tipos diferentes de microorganismos, fungos, macroorganismos e raízes de plantas. Quem se lembra desses princípios vai criar naturalmente uma composição viva.

mais na próxima semana

A revolução do húmus começou - quer fazer parte dela?